.

Sunday, November 04, 2012

Fato consumado

Uma amiga me perguntou: "tá, mas e ai você não vai mais atualizar a gente, que acompanha sua vida que nem novela sobre as coisas?". É que tenho tido bem pouco o que falar. Pouca coisa tem me tocado, tem me feito ter vontade de escrever. Isso não é exataente ruim. É que tem bem pouco acontecido de surpreendente mesmo. Tudo continua igualzinho como era antes. Trabalho, saudade, saudade, trabalho, fim de semana em casa, skype. Aquela confusão, aquela palpitação e medo passou. Ok. Passou quando eu resolvi que as coisas que estavam engavetadas deveriam continuar engavetadas até que o mofo corroesse tudinho, tal qual é a função do mofo nas gavetas fechadas. Eis que a minha caixa de pandora que é o meu coração foi novamente adormecida.
Por falar nele... Cheguei a conclusão ( notem que eu sempre concluo alguma coisa nessa vida) que tô de volta à fase de cagar para as possibilidades. É, é isso ai. Cansei de esperar, cansei de ser legal, de ser paciente e de não querer magoar pessoas. Eu quero é paz. E aventura, e grandes e fortes emoções. A sensação que tenho, é que por mais que eu venha a eventualmente me apaixonar, invariavelmente eu vou me machucar porque a partir do momento em que deixo meu pobre coraçãozinho bobo bater mais forte que nem bola e balão eu já estou assinando a sentença de esperar demais, ou até mesmo bem pouco e não encontrar o que procurei. E decepção é uma merda. O grande lance é não deixar as oportunidades passarem, ainda que elas pareçam meio esquisitas num primeiro ou segundo momento.
Mais que isso. Eu quase me afoguei. Imagina se ali, no meio do mar, eu realmente me afogo, netuno, aquele gatinho resolve mesmo me levar embora antes do salva vidas de olhos verdes aparecer? Imagina? Oh baby, a vida é curta pra ficar vendo passar enquanto me pergunto se vale a pena. Sempre vale a pena quando a alma não é pequena. Escuto isso desde sempre. Mesmo não tendo a menor paciência com clichês.
"Não quero mais
De mais a mais
Me aprofundar
Nessa história
Arreio os meus anseios
Perco o veio
E vivo de memória... Eu quero é viver em paz
Por favor me beija a boca
Que louca, que louca"

2 comments:

Antônio LaCarne said...

esperar cansa, realmente. e que essas reflexões sobre a vida sempre pairem na tua mente, pois segundo a vida da gente, refletir é preciso.

abração e linda semana.

kuronuma said...

Minha madrinha sempre me repetia as palavras da madrinha dela, que toda mulher deve ter certeza de se apaixonar menos do que seu homem. Fisgue-o, deixe-o caidinho por você, até que tenha consciência limpa para se jogar no amor.