.

Tuesday, October 04, 2011

I Remember you

Eu demorei, sim, eu demorei pra perceber todas aquelas coisas. Aqueles pequenos defeitos, aqueles grandes defeitos também. Eu que achava que era a grande entendedora da mente humana. Eu que achava que já tinha vivido todo tipo de sentimento no auge dos meus, olha só, imagine, no auge dos meus 23 anos. Eu que achava que tudo passava, era só querer, fazer terapia e tapar o sol com uma peneira. Não acho que tenha sido ingênua tampouco. Talvez eu só quisesse mesmo acreditar nisso tudo pra tornar tudo mais fácil. Ícaro me disse que não adiantava tentar ir embora, fugir, ou me trancar em casa e evitar rever velhos hábitos. Sempre ia estar lá. Até gastar. Não! Essa parte de gastar foi Marcelo quem disse só que num outro contexto. Saudade de Roberto, de seus vinhos, de seu macarrão sempre tão bem feito, de seu sofá e principalmente de nossas primeiras conversas pela madrugada. Aquelas da ponte do Pontal. Saudade de Janaína e sua maneira prática e eficiente de me fazer rir, rir, rir e ainda assim não deixar que eu simplesmente passasse por cima dos meus problemas. Saudades das aventuras com Laísa, de sentar no corredor e falar mal de qualquer pessoa que me irritasse e ver ela concordar comigo mesmo que não concordasse. Saudade tanta coisa. 
Não volta mais o tempo, e toda decisão que a gente toma...pronto, já foi. Eu achava que pudesse passar ilesa por mais essa. Das outras vezes foi tão mais fácil. Ou talvez não? Talvez minha memória seja seletiva e a última dor sempre doa mais. Quem é que sabe? Tem sido uma tortura olhar pra trás, pro presente e ver que muita coisa mudou. Em mim nada. Nada, nadinha mudou. Sou a mesma, mas ao meu redor, não reconheço mais nada. E é tudo culpa minha.

"When my life is through
And the angels ask me to recall
The thrill of it all
Then I will tell them
I remember
Tell them I remember
Tell them I remember
Tell them I remember you"

4 comments:

Laísa said...

"É tudo culpa minha"

É, vc realmente não mudou. Nada, nadinha.

Não consigo contar quantas vezes já ouvi essa frase. Mas consigo saber exatamente o quanto eu odeio ela. Mas só quando sai da sua boca. Essa mania horrorosa de achar que o mundo é do jeito que é por sua causa. De fato acho que vc influencia muita coisa. Na vida de cada um desses que vc citou, tem muitas participações especiais de Erika Cotrim.
Pois sendo assim, se hoje todos eles são felizes, se hoje todos têm lembranças, se todos choram de saudade, se todos morrem de rir das loucuras do passado e se todos se apegam a tudo isso para continuar caminhando, não seria isso culpa sua tb?

Pense nisso.

Beijo.
(é bom ler seus textos de novo)

O Impenetrável said...

linda a sua reflexão, me identifiquei bastante, você soube escolher as melhores palavras.

Rafael Pin said...

Gostei do texto, e acho que você esta precisando de uma noite, regada a vinho, e bom som com Roberto, Laísa e Ícaro e claro eu pra tocar o violão ahuahuhua. Fica bem Erikinha. (que intimidade) auhahuahuahu

Lost Samurai said...

Só agora li seu texto...
É, saudade... De tantas coisas e tantas pessoas que nem dá para contar. Quem sabe o que o futuro nos reserva???