.

Tuesday, August 11, 2009

As idéias de Ascânio

Foi uma conversa "exaustiva", curtinha, que começou por causa do tal beijo de cinema americano, que é sem graça e quase sem lingua.Mas o raciocinio foi simples. Todo mundo finge a mesma coisa. Finge que gosta. Uns fingem que gostam disso, outros daquilo, "mulheres fingem que gostam de sexo e homens de amor", citação dele, que não precisa e nem vai ser levada ao pé da letra, quando veio tentar me explicar que gostar de amor é gostar de carinho e afeto sem precisar ser melodramático. Faz sentido. Incrível como as coisas mudam. A tal da Tati Bernadi que o diga. Ela sabe como é ser essa coisa que ele batizou de " largada num canto", rsrs. Santa prepotência. Charmosa , eu diria.
Fico pensando se faz sentido o que a teoria bernadiana quer dizer quando racionaliza essa coisa de fingir que gosta. Eu gosto do que gosto, mas agora fico pensando se eu não gosto simplesmente porque as pessoas gostariam que eu gostasse. Tem gente se fantasiando o dia todo, o tempo todo, parece ser normal o tal do "proteger da vida", eu ainda acho estranho. Quase tão estranho como conhecer a mesma pessoa duas vezes e notar que novas versões surpreendem.
Por falar em surpreender...Ainda fico surpresa quando as pessoas dizem que eu as surpreendo. Tá, fico orgulhosa também, mas isso fica pra outro post. Ou não.

2 comments:

Iulo Almeida said...

Eu achava que só eu sabia que meu nome também é Ascânio ahah
Só não acho que as pessoas gostem ou, mais voltado à nossa discussão, finjam gostar porque gostariam que elas gostassem. De todo modo, gostei do que você disse, do que me parafraseou e do que acrescentou.
Só uma correção: é Tati BernaRdi hehe Aproveita e conserta a 'teoria bernaRdiana'
E falar de relações interpessoais é bom, mas realmente é exaustivo

Colombina said...

Essa conversa eh muito tensa...

*olhando para o nada*